PIB per capita baiano é o 8º menor do país

Foto: Haroldo Abrantes/SECOM

O PIB (Produto Interno Bruto) da Bahia para o ano de 2016 foi de R$ 258,6 bilhões, dos quais R$ 228,2 bilhões equivalem a valor adicionado bruto (renda líquida gerada pelas atividades econômicas) e R$ 30,4 bilhões são referentes aos impostos, líquidos de subsídios, sobre produtos.

Com esse resultado, a economia baiana mostrou recuo de 6,2%, entre 2015 e 2016, 2ª retração consecutiva e a 4ª queda mais intensa entre os 27 estados, menor apenas que os recuos no Amazonas (-6,8%), Piauí (-6,3%) e em Mato Grosso (-6,3%).

A queda do PIB baiano em 2016 foi quase o dobro do recuo do PIB nacional no mesmo ano (-3,3%). Em 2016, o único estado brasileiro a não apresentar retração econômica foi Roraima, cujo PIB teve variação positiva de 0,2% frente a 2015. O PIB do Distrito Federal, por sua vez, manteve-se estável (0,0%) entre 2015 e 2016.

Na Bahia, em 2016, todos os três grandes setores produtivos tiveram resultados negativos, com destaque importante para a agropecuária, cujo volume de riqueza gerada caiu 23,8% em relação a 2015. Em seguida vieram a indústria, com queda de 5,7%, e os serviços, que tiveram a menor retração (-4,0%).

Apesar do desempenho negativo da economia, a Bahia manteve, em 2016, seus 4,1% de participação no PIB brasileiro e até ganhou uma posição nesse ranking, ultrapassando Santa Catarina e subindo de 7º para 6º maior PIB estadual do país.

Isso ocorreu porque Santa Catarina foi um dos três estados que reduziram sua participação no PIB do país, entre 2015 e 2016 (de 4,2% para 4,1%). Os outros dois foram Rio de Janeiro (de 11,0% para 10,2%) e Espírito Santo (de 2,0% para 1,7%).

Mato Grosso foi o estado que mais ganhou participação no PIB brasileiro entre 2015 e 2016 (de 1,8% para 2,0%), seguido por São Paulo (de 32,4% para 32,5%) e pelo Distrito Federal (3,6% para 3,8%).

Dentre os estados do Nordeste, Maranhão (de 1,3% para 1,4%) e Pernambuco (de 2,6% para 2,7%) foram os únicos com ganhos de participação no total da economia do país, entre 2015 e 2016. Nesse intervalo de tempo, a região Nordeste como um todo também ganhou participação no PIB brasileiro, de 14,2% para 14,3%.

Com queda de 23,8% entre 2015 e 2016, agropecuária perdeu participação na economia baiana

O desempenho da agropecuária baiana em 2016, com valor adicionado de R$ 16,533 bilhões e forte queda em volume (-23,8%) em relação a 2015, foi reflexo, em grande parte, dos problemas climáticos e seca enfrentado pelos produtores do estado naquele ano.

Como resultado da queda no valor gerado pelo setor, ele foi o que mais perdeu participação no PIB baiano, entre 2015 e 2016, de 8,3% para 7,2% do valor adicionado bruto (PIB menos impostos).

O baixo desempenho do setor resultou, sobretudo, da atividade de Agricultura, inclusive apoio à agricultura e a pós-colheita, que teve queda de 33,1%. Os principais produtos agrícolas do estado apresentaram quebra de safra entre 2015 e 2016, destacando-se a queda de produção da soja e do algodão.

Dos três segmentos da agropecuária, apenas a produção florestal, pesca e aquicultura teve um discreto ganho de participação na riqueza gerada na Bahia, de 0,6% do valor adicionado bruto em 2015 para 0,7% em 2016.

Em 2016, o setor industrial baiano gerou um valor adicionado de R$ 54,1 bilhões, caindo 5,7% em relação a 2015. Ainda assim, o setor teve ganho de participação no total da economia do estado, de 22,1% para 23,7%, nesse período.

A única atividade industrial que não teve recuo entre 2015 e 2016 foi a de Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação, que cujo volume de valor gerado cresceu 5,3%. As Indústrias extrativas (-10,7%), as Indústrias de transformação (-3,8%) e a Construção (-11,4%) tiveram quedas.

Já os serviços adicionaram R$ 157,6 bilhões à economia baiana em 2016, uma queda de 4,0% no volume, em relação a 2015, o que levou o setor a uma pequena perda de participação, de 69,6% para 69,1%.

De todas as atividades de serviços investigadas, apenas Educação e saúde privadas (2,9%) e Atividades imobiliárias (1,1%) tiveram desempenhos positivos na passagem de 2015 para 2016.Entre 2002 e 2016, PIB da Bahia avançou, em média, 2,8% por ano, 7º menor crescimento entre os estados

Apesar do desempenho negativo da economia baiana em 2015 e 2016, quando se avalia o período de 2002 a 2016, o estado tem um crescimento médio anual de 2,8%, levemente superior à média do país (de 2,5% ao ano) e igual à média do Nordeste (2,8% a.a.).

Ainda assim, o avanço médio anual da economia baiana entre 2002 e 2016 foi o 7º menor dentre os 27 estados. Tocantins (5,2% ao ano), Mato Grosso (4,7% a.a.) e Roraima (4,3% a.a.) tiveram os maiores crescimentos anuais médios, enquanto Rio de Janeiro (1,6% a.a.), Rio Grande do Sul (1,8% a.a.) e Minas Gerais (2,1% a.a.) ficaram com as menores médias.

PIB per capita baiano é o 8º menor do país e, no Nordeste, fica abaixo dos valores de Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe

Em 2016, o PIB per capita baiano ficou em R$ 16.931,10. É o 8º PIB per capita mais baixo entre os estados e bem menor que o do país (R$ 30.411,30).

Na região Nordeste, o valor do PIB per capita da Bahia perde para os de Pernambuco (R$ 17.777,25) Rio Grande do Norte (R$ 17.168,60) e Sergipe (R$ 17.153,91).

O maior PIB per capita brasileiro continuou sendo, em 2016, o do Distrito Federal: R$ 79.099,77, cerca de 2,6 vezes maior que o PIB per capita do país.

Por outro lado, Maranhão (R$ 12.264,28 ) e Piauí (R$  12.890,25 ) foram os menores PIB per capita do Brasil em 2016. Desde 2002, quando se iniciou a série das Contas Regionais, esses dois estados alternam-se nas duas últimas posições nesse ranking.

Comente

Be the first to comment on "PIB per capita baiano é o 8º menor do país"

Deixe uma resposta