Bolsonaro se filia ao partido do chefe de gabinete de Caetano

Foto: Reprodução/Facebook

A filiação de Jair Mesias Bolsonaro ao PSL para concorrer a presidência em 2018 pode ser o ingrediente que faltava para os “companheiros” do PT despacharem de vez Ademar Lopes da cola do deputado federal, Luiz Caetano (PT). Internamente, Lopes enfrenta duras críticas dos caetanistas por sua incompetência administrativa e constantes enrolações, financeiras e políticas.

Atualmente, Lopes é o presidente do PSL em Camaçari e é o chefe de gabinete de Caetano, com um salário mensal de R$ 10.457,16, mais R$ 2.353,07 de auxílios e uma “gorda” gratificação de R$ 6.274,30, totalizando por mês R$ 19.084,53.

Este slideshow necessita de JavaScript.

“Além de ganhar muito e contribuir pouco”, nas palavras dos próprios colegas do mandato, Lopes comanda na teoria, pois na prática quem tem levado o mandato do deputado federal de Caetano nas costas é o gabinete da deputada estadual Luiza Maia (PT), que como já desistiu de ser candidata em 2018, liberou parte dos seus funcionários para trabalharem para Caetano.

No popular, a turma de Luiza faz força e quem fica vermelho é o gabinete de Caetano, que tanto em Brasília, como seus assessores na Bahia contribuiram para derrota nas eleições para prefeito e colocam em risco a reeleição para Câmara dos Deputados em 2018.

Agora, Lopes é do mesmo partido de Bolsonaro e, se já era mal visto pelos companheiros e os “frequentadores” da Colina vai ser mais difícil Caetano segurar a boquinha de Lopes, a não ser que o simpatia tenha medo das revelações que o seu chefe de gabinete pode fazer caso seja exonerado.

Comente

Deixe uma resposta