ACM Neto: O PRÍNCIPE VALENTINHO

Foto: Divulgação

ACM Neto, o último pingo do carlismo, decidiu processar Manno Góes depois de ser esculachado por dar um calote de 30 milhões de reais em direitos autorais devidos a compositores, baianos ou não, que têm suas músicas utilizadas nas campanhas e festas promovidas pela prefeitura de Salvador.

Manno, um dos maiores compositores e uma das raras vozes críticas da música baiana, chamou Neto de “anão moral” e “caloteiro”. Nada de novo no front.

“Anão” é o apelido do prefeito na lista de pagamentos da Odebrecht. Ao inserir o “moral”, Manno ainda lhe fez a gentileza de julgar-lhe pelo caráter, não pela estatura física, o que, sabemos, não é demérito nenhum.

Caloteiro, como todos sabem, é quem dá calote. Acho que essa parte não é preciso explicar.

O valente alcaide, pois, achou por bem processar Manno. Confia, certamente, nas frutas podres do Judiciário alinhadas à criminalização de opositores de esquerda.

Quem sai aos Magalhães, sempre degenera.

*Leandro Fortes é jornalista e escritor.

Comente

Be the first to comment on "ACM Neto: O PRÍNCIPE VALENTINHO"

Deixe uma resposta