A fragilidade jurídica das prisões decretadas por Sérgio Moro

Foto: Sérgio Lima/PODER 360

Mais uma prova da fragilidade das decisões do juiz Sérgio Moro, da 13ª vara federal de Curitiba, pode ser avaliado pela quantidade de prisões revogadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Moro, com a sua Operação Lava Jato, já decretou 97 prisões preventivas desde o início da operação Lava Jato, porém dessas 62 (63,9%) foram revogadas ou substituídas por medidas cautelares, como prisão domiciliar, uso de tornozeleira eletrônica e pagamento de multa.

Recursos de ao menos 34 réus ou investigados chegaram ao STF (Supremo Tribunal Federal). Em 19 casos, a Corte relaxou a prisão. Outros 15 pedidos de liberdade foram negados pelos ministros do Tribunal.

Em julgamento em abril do ano passado, a 2ª Turma do STF, responsável por analisar recursos da Lava Jato, concedeu prisão domiciliar a 9 executivos presos preventivamente na operação Juízo Final, deflagrada em novembro de 2014, de acordo com o levantamento do Poder360. 

Comente

Be the first to comment on "A fragilidade jurídica das prisões decretadas por Sérgio Moro"

Deixe uma resposta