A traição em três atos no PSB de Camaçari

Dia após dia o clima nas fileiras do PSB de Camaçari fica ainda pior. Apesar do atual presidente municipal da legenda, Ajax Tavares, querer “abafar” a crise interna, militantes revoltados com a situação do partido relataram com exclusividade ao Badogada o que eles chamam de “a traição em três atos”. O caso já foi encaminhado a executiva estadual e tem dividido opiniões dos membros do partido na Bahia.

Traição, ato 1
De acordo com os “socialistas”, o partido vivia natimorto em Camaçari, porém com a chegada de Luiz Macedo ganhou um novo folego. Macedo articulou a filiação de nomes ao partido como Oto da Farmácia, Antonio Carlos Soares, Missionária Roseane e Cristiane Carvalho, que fortaleceu a legenda, que abiscoitou mais de sete mil votos nas eleições de 2016.

A Ajax, que era homem de confiança de Luiz Macedo, foi delegada a missão de assumir o partido para Macedo tocar a candidatura a vereador. A campanha começou, Ajax de afastou de Macedo e se aproximou do vereador pastor Neilton (PSB). Fim da campanha, Ajax gostou do trono e não abriu mão do “reinado”, para surpresa de uns e revolta de outros. Fim de traição, ato 1.

Traição, ato 2
Durante a campanha eleitoral, Luiz Macedo e outros vereadores resolveram abandonar a candidatura de Jailce Andrade (ex-PCdoB) e apoiar Caetano. Três dias após o resultado eleitoral, o pior prefeito da história de Camaçari, Ademar Delgado, bateu no peito de Macedo e falou: “como você resolveu apoiar Caetano, você e sua turma estão fora da Limpec”. Resultado, Macedo e mais de 30 funcionários foram demitidos, sem justa causa. Vale ressaltar que os demitidos entraram com uma ação coletiva contra Ademar por desrespeitar a legislação trabalhista.

Foto: Reprodução/Facebook

Curiosamente, os funcionários ligados ao pastor Neilton e Ajax mantiveram seus benefícios. Em momento nenhum pastor Neilton, único vereador da legenda defendeu seus correlegionários, o que despertou certa desconfiança naqueles mais observadores. Fim da traição, ato 2.

Traição, ato 3
O ato de traição número 3 começa com uma conversa entre o secretário de governo, Helder Almeida (DEM), pastor Neilton e Ajax. Helder foi taxativo: “não me interessa apenas o mandato do vereador Neilton, eu quero o PSB inteiro”.

Poucos militantes sabem disso e, certamente, após tomarem conhecimento do fato…bom, a decisão é de vocês, militantes do PSB. Ainda na rota da traição, após se perpetuar no trono “socialista”, Ajax tem dado um gelo na secretária municipal do PSB, Cristiane Carvalho e Nira, que assume a secretaria em defesa dos direitos LGBT no partido. Além de não atender as ligações, as reuniões agora são previamente agendadas.

Foto: Reprodução/Facebook

Comente

Be the first to comment on "A traição em três atos no PSB de Camaçari"

Deixe uma resposta