“Pecado do PT foi não ter feito a reforma política”, analisa Wagner

O ex-governador Jaques Wagner negou que irá disputar a presidência nacional do Partido dos Trabalhadores, durante o Encontro Estadual do Muda PT, realizado neste sábado (14), em Lauro de Freitas.

Para ele, o PT já tem um presidente nacional e chama-se Luis Inácio Lula da Silva. Contudo, Wagner não destaca assumir um cargo no Diretório Nacional, como a vice-presidência do Nordeste, região, onde segundo Wagner ele tem mais condições de contribuir e fortalecer o partido regionalmente.


Em seu discurso de mais de 30 minutos, Wagner falou aos companheiros de partido que é preciso bater no peito e dizer “eu me orgulho muito de ser do Partido dos Trabalhadores, pois fomos nós que realizamos as maiores transformações sociais no país”, assinalou.

Para o ex-governador o pecado do PT foi não ter feito a reforma política, pois “da forma que, atualmente, está estruturada a nossa democracia, com mais de 40 partido, é um verdadeiro estelionato eleitoral”, frisou. Wagner ressaltou que a falta da reforma política levou ao PT a jogar o jogo de um Congresso conservador.

O ex-governador, de forma bastante sincera, lembrou ainda que houve um apartamento do PT com os movimentos sociais, o que foi crucial para o partido não ter conseguido reverter o golpe contra a presidente Dilma.

Importância do PT
A elite atual, tanto nacional como estrangeira, enxerga no PT uma grande ameaça, pois os êxitos do PT no Brasil, principalmente, com os avanços sociais, influenciaram transformações políticas em toda América Latina, bem como a formação de novos blocos geopolíticos, graças ao papel que o Brasil desempenhou na agenda internacional.

Comente

Be the first to comment on "“Pecado do PT foi não ter feito a reforma política”, analisa Wagner"

Deixe uma resposta