“Saída para crise da esquerda é pensar projeto amplo para o Brasil”, diz Emir Sader

“O Temer não tem ido a TV nem para falar mentira. É um governo fadado ao fracasso”. A análise é do professor Emir Sader, durante palestra realizada nesta quarta-feira (21), na Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM), em Salvador, onde abordou a atual conjuntura política brasileira e o golpe contra a democracia.

Em entrevista ao Badogada, Sader pontuou que a tarefa de superar o golpe contra a democracia não será fácil “mas a fraqueza dos golpistas é a nossa força. Nós podemos reverter o golpe, com o povo na rua em um verdadeiro levante popular”, pontuou.

A saída para a esquerda brasileira é ganhar espaço na esfera política, elegendo mais prefeitos e mais vereadores, além de ir para base e reorganizar os movimentos sociais. “O momento não é de repensar apenas os partidos de esquerda, afinal somos poucos, mas precisamos pensar em um projeto para o país e voltar a dialogar com as forças progressistas do Brasil”, frisou.

Futuro do PT
Questionado sobre os destino do PT, Sader criticou os debates preparatórios para o VI Congresso do partido até então. Em sua avaliação, “no lugar de debater o país que a gente quer, o PT está mais preocupado em resolver mágoas e rancor antigo”, disse.

Para ele, o PT não deve se voltar para dentro, mas repensar a sua relação com a sociedade. “O PT não se resume ao debate sobre Dilma, Zé Dirceu e Rui Falcão, a reorganização do partido passa, necessariamente, por entender o fenômeno Lula e as transformações políticas realizadas em sua gestão”, explicou.

Papel dos EUA no golpe
O professor destacou ainda a interferência internacional, principalmente dos Estados Unidos, na organização do golpe ao governo Dilma. “Os dados obtidos pelas agência de espionagem norte-americana foram fornecidos para o Sergio Moro que iniciou a operação Lava Jato”, esclareceu.

O professor citou ainda que é uma verdadeira “canalhice” o rompimento político do Brasil com a África, desenvolvimento atualmente pelo governo Temer, bem como a política internacional de afastamento dos países da América Latina.

Sader ressaltou ainda que os partidos de esquerda falharam na relação com os servidores públicos, no que diz a formação política desses agentes. “Vejam que absurdo. Tem professor da rede estadual de ensino contra as ocupação das escolas. Não adianta ter um projeto de esquerda sem a formação e diálogo com os servidores sobre a missão de um governo de esquerda”, finalizou.

Comente

Be the first to comment on "“Saída para crise da esquerda é pensar projeto amplo para o Brasil”, diz Emir Sader"

Deixe uma resposta