Geddel pressiona ministro da Cultura para liberar seu apartamento de luxo na Bahia

Foto Lula Marques/Agência PT

Homem de confiança de Temer, Geddel Vieira usou sua força política para liberar obras ilegais em Salvador. Ministro pede demissão e denuncia caso de corrupção.

Conhecido por seu temperamento “esquentado”, sem papas na língua e colecionador de uma vasta de lista de processos e irregularidades, Geddel Vieira Lima, que amargava um ostracismo após a derrota nas eleições de 2014, e ganhou espaço no governo golpista de Michel Temer, sendo peça importante na articulação política do governo, já colocou as garras para fora e mostrou que Geddel vai ser sempre Geddel. 

Na Ladeira da Barra, em Salvador, vai ser erguido o milionário empreendimento La Vue, com apartamentos avaliados em R$ 2,6 milhões e um deles pertence ao ministro Geddel. O problema é que as obras acontecem ao lado de sítios históricos e patrimônios tombados, como o Forte de São Diogo, a Igreja de Santo Antônio da Barra e o Cemitério dos Ingleses e foi reprovado, inicialmente, por técnicos do Iphan, IPAC e a própria Secretaria Municipal de Urbanismo.

Tecnicamente, a obra apresenta tantas falhas que o Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB) acionou na Justiça pedindo revisão do projeto e do parecer que autorizou a obra. Já a Procuradoria-Geral da República, no último fim de semana, pediu a paralisação das obras até que houvesse readequação dos padrões e um estudo prévio de impacto de vizinhança.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Para ter o alvará, o empreendimento imobiliário La Vue dependia da liberação do Iphan, órgão responsável por zelar pelo patrimônio artístico e cultural no país, que negou tecnicamente. É aí que entra o ministro Geddel que fez tanta pressão no Ministro da Cultura, Marcelo Calero, para “facilitar as coisas”, que levou Calero a pedir demissão e colocar a boca no trombone e denunciar a forma truculenta de Geddel para liberar o parecer técnico.

Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, o ex-ministro da Cultura, contou os detalhes da “pressão” que Geddel fez. Marcelo Calero revelou que foi procurado pelo ministro pelo menos cinco vezes – por telefone e pessoalmente – para que o La Vue saísse de papel. Em uma das conversas, Calero comenta que, abertamente, Geddel ligou e pediu a interferência do ministro, pois tem um apartamento no condomínio milionário. “E aí, como é que eu fico nessa história”, teria reclamado Geddel.

“Não desejo isso pra ninguém. Estar diante de uma pressão política, diante de um caso claro de corrupção. Venho aqui de cabeça erguida e peito aberto. Desde o primeiro momento eu fui muito claro, que nada fora do script, do roteiro, iria acontecer. Nem que isso custasse eu sair do ministério”, desabafou o ex-ministro durante um evento organizado pela Associação de Produtores de Teatro, no Rio de Janeiro.

Apesar do desvio ético, Geddel disse que não vai pedir demissão
Em qualquer lugar do planeta, ligar e pressionar outro ministro em causa própria deve constar em qualquer código de ética e por si só deveria ser motivo suficiente para exoneração, mas como se trata de um governo ilegítimo, o absurdo acaba tornando-se a prática comum.

Publicamente, Geddel confirmou que comprou um apartamento no La Vue, no 23º andar, porém negou que tenha pressionado o ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero. Ligou sim, falou sim, mas segundo ele, foi apenas uma conversa entre amigos.

Eticamente a situação de Geddel é insustentável e a oposição já começou a dar badogada no ministro-chefe do Governo Temer. O deputado federal Jorge Solla (PT-BA) já disse que vai apresentar na próxima segunda-feira (21), na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara, um requerimento de convocação do ex-ministro da Cultura para obter mais detalhes sobre a “pressão de Geddel”.

Já o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE) emitiu uma nota pedindo a demissão imediata de Geddel. “É escandaloso que um ministro extremamente poderoso dentro do governo, que trabalha na antessala de Temer, use do próprio cargo para coagir e ameaçar colegas em favor de interesses pessoais”, bradou o petista.

Geddel vai enfrentar ainda representações na Comissão de Ética da Presidência e no Ministério Público Federal para que os órgãos apurem a situação. No Congresso Nacional, a bancada oposicionista já prepara as munições e promete fechar o cerco em torno do ministro da Secretaria do Governo e, consequentemente, sangrar Temer.

Nas redes sociais, já foi criada a hashtag #ForaGeddel e rapidamente virou meme na internet:

Comente

Deixe uma resposta